Sexta-feira, 6 de Janeiro de 2012

Ano Novo Vida Velha

(Para ler clique na imagem)

 

In: O Despertar - 06-01-2012

publicado por José Soares às 15:24
link do post | favorito
Sexta-feira, 30 de Dezembro de 2011

Ano novo, políticos e vícios antigos

(Para ler clique na imagem)

publicado por José Soares às 14:37
link do post | favorito
Quarta-feira, 30 de Março de 2011

José Soares em mini-entrevista à Revista C

(Para ler clique na imagem)

 

Também ler esta entrevista na «REVISTA C»

publicado por José Soares às 01:20
link do post | favorito
Sexta-feira, 7 de Agosto de 2009

Tiro no pé

   O caso Joana Amaral Dias já fez correr tinta a mais. Foi ou não convidada para fazer parte da lista de deputados pelo PS de Coimbra?

   Fazer listas do que quer que seja não é fácil. A dos deputados socialistas de Coimbra também não foi e é um exemplo a não seguir.

   Desconheço quem incumbiu Paulo Campos de contactar Joana Amaral Dias para o efeito. Se quis fazer um bom serviço, conseguiu-o, mas a favor do Bloco de Esquerda.

   Segundo a ex-deputada bloquista, a ideia do PS seria “tentar fazer uma renovação das suas listas e a tentar captar algumas figuras à esquerda”. O Partido Socialista tem, felizmente, muitas figuras de esquerda para captar esse seu eleitorado. No entanto, em vez de procurar entre os seus, procura fora com os resultados conhecidos.

   Houve muita coisa que não correu bem e é bom que registemos o que disse Manuel Alegre: “Houve retaliação política” na feitura das listas de deputados. “Todos os que me apoiaram ficaram de fora. Politicamente não estou representado nas listas. O PS vai gravemente mutilado às eleições.

   Em termos político-partidário, estou mais preocupado em saber se as observações de Manuel Alegre assentam numa lógica de maioria partidária, onde as oposições internas são arredadas, do que saber se Paulo Campos “convidou” ou não Joana Amaral Dias, dado desconhecer a que título o poderia fazer. Mais uma vez, o PS deu um tiro no pé. José Sócrates foi envolvido nesta polémica e, sinceramente, não acredito na sua participação neste episódio.

   As listas estão feitas e, como socialista, farei o que estiver ao meu alcance para ajudar o meu partido a vencer as próximas eleições legislativas (e autárquicas), apesar de não ter havido de quem de direito, um real esforço de união partidária das várias sensibilidades do PS no distrito de Coimbra.

   O que está feito, feito está. Só espero que a partir de agora os escritores do reino socialista, empreguem os seus talentos a explicar aos eleitores as vantagens de Portugal continuar a ter um governo de maioria socialista e se deixem de andar aos “tiros” dentro de casa e que tragam para o exterior as razões para essas desavenças. Agora, o tempo é outro.

   Nesta estória, o que mais me desgosta é os partidos convidarem os militantes de outros partidos para fazerem parte das suas listas, sejam para deputados sejam para as autarquias. Pior do isso, só mesmo esses militantes que aceitam esses convites.

 

In Jornal “O DESPERTAR” – 07-08-2009

publicado por José Soares às 15:00
link do post | favorito
Quinta-feira, 11 de Junho de 2009

Só elegemos eurodeputados

   Não vale a pena negar os factos – o PS perdeu as eleições europeias e todos os outros ganharam. Valeu o voto militante, dado que a maioria de todos os outros optou pela abstenção, que atingiu os 63%. Com estes valores, numa democracia, nenhum partido responsável pode clamar vitória.

   O PS não conseguiu mobilizar os seus próprios militantes e simpatizantes. Há muito que os sinais estavam na rua. Eram muitos os militantes socialistas que se insurgiram contra o próprio Governo e faziam questão de o mostrar publicamente. Este resultado era mais que previsível. Só não viu quem não quis ver. Foram tomadas medidas que a maioria não percebeu e que o Governo não conseguiu explicar. Os exemplos são muitos, mas dou o meu próprio caso: sou membro das Comissões Políticas Concelhia e Distrital do Partido Socialista e, como ex-Técnico Superior da Administração Pública, não consegui até hoje aceitar, ou sequer perceber, a alteração feita à lei das aposentações, a qual veio retirar quase 53% à minha aposentação.
   Estas eleições não eram fáceis para o PS. Sabia-se. As pessoas fazem os lugares e os lugares fazem as pessoas e estas podem fazer a diferença. Vital Moreira é conhecido pela sua competência universitária e como professor de Direito. Como candidato, devia ter despido essa capa e utilizado uma linguagem bem mais perto do povo. Qualquer contacto corria o risco de resvalar para uma aula. Os debates foram disso exemplo. Vital Moreira é bem melhor do que aquilo que o país viu. Estou certo que irá ser um respeitado e prestigiado eurodeputado.
   Não se pense que este resultado é o estender dum tapete vermelho para o PSD ganhar os próximos actos eleitorais. Depois destas eleições, a vida dos portugueses fica rigorosamente na mesma. Agora só elegemos os nossos eurodeputados para o Parlamento Europeu, os quais se vão “diliur” nas suas próprias famílias políticas. Quem conhece os actuais 24 eurodeputados portugueses? É preciso contextualizar estas eleições.
   As próximas eleições autárquicas vão mostrar ao país um PS bem mais mobilizado e empenhado. Para isso, basta que a direcção socialista e o Governo saibam tirar as devidas ilações e, com humildade, reconhecer que algo tem que mudar. É preciso saber explicar e isso nem sempre tem sido conseguido.
   Para aqueles que agora julgam o PS afastado das vitórias em próximos actos eleitorais, relembro que também o PSD (com Cavaco Silva) perdeu as eleições europeias para de seguida ganhar as legislativas e com maioria absoluta.
In Jornal: "DIÁRIO DE COIMBRA" - 11-06-2009
In Jornal: "SOL" - 12-06-2009 - CARTA DA SEMANA
In Jornal: "DIÁRIO DE NOTÍCIAS" - 13-06-2009 - CARTA DO DIA
publicado por José Soares às 16:56
link do post | favorito
Quinta-feira, 28 de Maio de 2009

Salário dos eurodeputados

 

 

   Ser eurodeputado, é o objectivo de muitos daqueles que andam na política, mas que só alguns, muito poucos, poderão passar do sonho à realidade. Estes lugares não são exclusivos da militância partidária. Só o PS leva dois independentes em lugar elegível: Vital Moreira e Elisa Ferreira.
   Actualmente, o vencimento dum eurodeputado é de 3.815 euros. Já aqueles que vão ser eleitos a partir de 7 de Junho, irão ver esse salário subir para 7.665 euros. É quase o dobro, pelo que é um forte aliciante para os novos eurodeputados. Por curiosidade e para comparação, refiro os vencimentos do Presidente da República e do Primeiro-Ministro, que é de 7.000 e 5.000 euros, respectivamente.
   Esta alteração, deve-se ao facto dos salários dos eurodeputados passarem a ser iguais para todos, independentemente do país de origem. Actualmente, o salário está indexado ao ordenado dos parlamentos nacionais.
   O novo parlamento também vai ter menos eurodeputados: dos actuais 785, vão passar a ser 736. Nesta redução, Portugal vai passar a ter 22 eurodeputados, contra os 24 que tem actualmente. Com esta alteração, vamos ver quais os partidos ou coligações que mais prejudicados saem com esta redução. Relembro que em 2004, o resultado eleitoral foi o seguinte: PS – 12 deputados (44,5%); PSD/CDS – 9 (33,3%); CDU – 2 (9,1%) e BE – 1 deputado (4,9%).
   Muitas vezes, queixamo-nos que as coisas estão mal, mas nada fazemos para alterar o que, do nosso ponto de vista, achamos que está errado. A abstenção nas eleições europeias é de facto preocupante, pelo que é importante para o país, que os portugueses vão votar no próximo dia 7 de Junho.
 
In Jornal: "CAMPEÃO DAS PROVÍNCIAS" - 28-05-2009
http://www.campeaoprovincias.com/
http://www.campeaoprovincias.com/jornal/index.php?option=com_content&task=view&id=6090&Itemid=33
publicado por José Soares às 17:20
link do post | favorito
Quarta-feira, 13 de Maio de 2009

Bloco Central

 

Começam a aparecer cada vez mais vozes a vaticinarem que o PS e o PSD devem entender-se e, talvez, pensarem em reeditar o “Bloco Central”.

Ao contrário de algumas dessas cabeças pensantes, acho muito difícil que tal venha a acontecer, pelo menos antes das eleições. Esse entendimento aconteceu em 1983 e na altura os protagonistas eram Mário Soares (PS) e Mota Pinto (PPD). Era pública a boa relação que havia entre os dois, o que facilitou essa coligação.

Agora, em 2009, os líderes são José Sócrates (PS) e Manuela Ferreira Leite (PSD), e a sua relação nem cordial chega a ser. Os dois falam-se por obrigação. São radicalmente diferentes, pelo que não vejo qualquer possibilidade de entendimento entre eles.

Os principais dirigentes do PS, incluindo o próprio secretário-geral, têm apelado a uma maioria absoluta. Outros, também com responsabilidades históricas no partido do Governo, parece que já não acreditam na possibilidade do PS renovar a maioria absoluta e, sem luta nem glória, dispõem-se a deitar a toalha ao chão.

Não subscrevo a teoria da ingovernabilidade dos governos minoritários. No entanto, considero que o PS deve lutar por uma maioria absoluta e, se tal não acontecer, respeitar a vontade do eleitorado. É assim em democracia. Depois das eleições, e só depois delas, retiram-se as respectivas ilações, mas entretanto seria importante que o país eleitor e principalmente o país político, se concentrasse nas eleições para o Parlamento Europeu. Continuar a alimentar esta novela do “Bloco Central”, fora do tempo, é desvalorizar umas eleições que vão ser determinantes para o futuro do próprio país. Se o PS não ganhar as Europeias, aí sim, nunca chegará à maioria absoluta nas legislativas.

O “Bloco Central”, por si só, não é um factor de estabilidade. Pior ainda, quando os lideres dos dois partidos são José Sócrates e Manuela Ferreira Leite. Depois das eleições, com ou sem maioria absoluta, o líder do PS ou PSD que perder essas eleições dificilmente terá condições para continuar a liderar o respectivo partido, pelo que acredito que a liderança do PSD irá mudar no final do ano. Depois disso, até é possível haver algum entendimento, para o caso de não haver maiorias absolutas de um só partido.

 
In Jornal: "AS BEIRAS" - 13-05-2009
 
In: "JORNAL DE NOTÍCIAS" - 13-05-2009
 
In Jornal: "DIÁRIO DE NOTÍCIAS" - 15-05-2009
 
In Jornal: "EXPRESSO" - 16-05-2009
tags:
publicado por José Soares às 12:00
link do post | favorito
Quarta-feira, 19 de Outubro de 2005

Recordar o PRD

PRD.jpg

Faz hoje 19 anos (19-10-1986) que Ramalho Eanes assumiu a presidência do PRD -Partido Renovador Democrático, após ter saído da presidência da República, onde esteve durante dois mandatos -–10 anos (1976-1986).

Os princípios que estiveram na origem da criação do PRD, estão tão actuais hoje como estavam na altura da fundação daquela força política. O problema foram alguns dos seus protagonistas que descredibilizaram o projecto, perante a opinião pública. Hoje, continuo a achar que se justificava a manutenção do PRD no actual espectro político. Nunca concordei que Ramalho Eanes tivesse abandonado um projecto que ele próprio idealizou.

José Soares (*)

(*) ex- Presidente da Comissão Política Distrital de Coimbra, Deputado Municipal e Conselheiro Nacional.

publicado por José Soares às 22:18
link do post | favorito
Quinta-feira, 6 de Outubro de 2005

VIVA A REPÚBLICA - 05-Outubro-1910

Vivaarepublica.gif

Para quem é republicano como eu, decerto que o dia de ontem se revestiu de um significado especial. Como disse por Eugénio Oliveira na Comemoração do 05/Outubro/1910 junto do Monumento a António José de Almeida a 5 de Outubro de 2000, Celebrar a República é glorificar a Liberdade

A 5 de Outubro de 1910, a República Portuguesa é proclamada da varanda da Câmara Lisboa, por José Relvas.

O 5 de Outubro também tem outros significados. Foi nesse dia, no ano de 1143, que se estabelece a independência do Reino de Portugal, através do Tratado de Zamora. Este tratado, foi assinado por Afonso Henriques, Afonso VI de Castelo e um representante do Papa. Portugal é um estado independente há 862 anos.

Por ironia do destino, monárquicos e republicanos comemoram o seu 5 de Outubro. Os primeiros, para celebrarem o nascimento de Portugal (1143); os segundos, lembram a implantação da República (1910).

A 6 de Outubro de 1910, a República Portuguesa é proclamada no Porto.

O valor da Democracia, é podermos celebrar aquilo que acharmos melhor para o nosso País. Por mim, celebro a República.

publicado por José Soares às 21:45
link do post | favorito
Quinta-feira, 16 de Junho de 2005

I Convenção do PRD – 1985

PRD.jpg

Faz hoje precisamente 20 anos, que se realizou a I Convenção Nacional do Partido Renovador Democrático -–PRD, na qual foi eleito como primeiro presidente, o Engº Hermínio Martinho.

O seu aparecimento veio trazer uma esperança aos portugueses, dada a desconfiança que havia na altura sobre a classe política, em contraponto com a credibilidade e honestidade que transmitia o Gen Ramalho Eanes, na altura Presidente da República.

Como muitos, também eu me empenhei com todas as minhas forças neste projecto, depois de muitos anos de independente, chegando a ser nesse Partido, deputado municipal, dirigente concelhio, presidente da Comissão Política Distrital de Coimbra e conselheiro nacional. Foi um projecto que nasceu para ser diferente. Com o tempo, com os erros cometidos, as pressões e, principalmente, com a saída do seu promotor e presidente, Gen. Ramalho Eanes, acabou o Partido, o projecto e a esperança que ele trouxe. A esta distância, 20 anos depois, se calhar foi pena e hoje até poderia ter cabimento um projecto político daquele género. Foi uma alternativa política, numa altura, tal como hoje, em que só havia alternância política.

O nascimento do PRD, foi um acontecimento digno e trazia associado a si uma grande esperança. A forma como desapareceu, foi simplesmente desolador. Pela forma como nasceu, o PRD podia ter morrido, mas duma forma digna (o que infelizmente não aconteceu), como digno foi o seu fundador, a maioria dos seus dirigentes, militantes e simpatizantes.

Oficialmente, o PRD nasceu a 19/Julho/1985.

Por curiosidade, também foi neste dia (16 de Junho), mas em 1991, nasceu o PSN – Partido da Solidariedade Nacional (partido dos reformados), o qual também não teve grande futuro. Seguramente que o dia 16 de Junho não é bom para se formarem novos partidos em Portugal.

publicado por José Soares às 23:34
link do post | favorito
Quinta-feira, 7 de Abril de 2005

E agora Victor?

Embora existam várias questões para resolver em Coimbra, parece que a cidade só tem um único problema: a co-incineração. A situação é de tal maneira importante, que nas últimas eleições legislativas, o candidato do CDS/PP, Nobre Guedes, fez deste assunto a sua principal e quase única bandeira. Este mesmo tema, já levou também ao auto-afastamento de Fausto Correia da candidatura à Câmara de Coimbra, por razões que o próprio explicou, duma forma bastante clara.

Toda esta situação, veio facilitar a recandidatura de Carlos Encarnação. Arrisca-se a ganhar, mais por eventual demérito dos adversários, do que pelos seus próprios méritos. Acontece muitas vezes. Como já escrevi, também José Sócrates beneficiou, e muito, dos deméritos dos seus principais adversários.

Por todas estas razões, Victor Baptista poderia optar pela solução mais fácil: regressava ao Governo Civil e apostava na sua recandidatura à frente da Federação de Coimbra do PS. Para surpresa de muitos, disponibilizou-se a avançar para a Câmara Municipal de Coimbra, o que é uma atitude arrojada. Não é tarefa fácil. Uma visão estritamente pessoal, aconselhava-o a tomar outra decisão. Victor Baptista tem pela frente uma difícil batalha, pelo que a sua atitude merece da parte dos socialistas de Coimbra, todo o empenhamento e disponibilidade.

E agora Victor? Como presidente da Federação de Coimbra do PS/Coimbra, está bem por dentro dos problemas que afectam os conimbricenses, e tem, duma forma regular, apresentado na imprensa as várias propostas de solução. O seu maior problema não é saber fazer, mas com quem fazer. Enquanto Carlos Encarnação tem o partido à sua volta, Victor Baptista tem de unir o que a co-incineração separou. O eleitorado tem de ter sinais que o PS/Coimbra está unido e que é uma alternativa a este executivo camarário. Um sinal de união, é juntar na mesma equipa pessoas como Rodrigues Costa, Luís Vilar, João Silva e Mário Ruivo, só para citar alguns. Seria aconselhável, que apresentasse duma única vez, a proposta do seu executivo camarário. E porque não apresentar de seguida os cabeças de lista às freguesias? É nas freguesias que começa a vitória na Câmara.

Por aquilo que tem vindo a público recentemente, parece que o PSD/Coimbra irá fazer da co-incineração uma das suas bandeiras. Ao PS/Coimbra, caberá mostrar ao eleitorado que em Coimbra há mais vida para além desse grave problema. É uma causa importante, mas não é a única, infelizmente.

In "CAMPEÃO DAS PROVÍNCIAS" - 07-04-2005

www.campeaoprovinvias.com

publicado por José Soares às 10:32
link do post | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Ano Novo Vida Velha

. Ano novo, políticos e víc...

. José Soares em mini-entre...

. Tiro no pé

. Só elegemos eurodeputados

. Salário dos eurodeputados

. Bloco Central

. Recordar o PRD

. VIVA A REPÚBLICA - 05-O...

. I Convenção do PRD – 1985

. E agora Victor?

.arquivos

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Junho 2008

. Março 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Março 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds