Sexta-feira, 18 de Dezembro de 2009

O meu Natal

   Apesar de nos últimos anos ter mudado um pouco a minha opinião, a verdade é que, no essencial, continuo a achar o Natal uma época de grande hipocrisia. Durante anos, tive de cumprir o ritual de passar a noite, com quem não tinha qualquer interesse, salvo raras excepções. Durante o ano, não havia esse convívio obrigatório, pelo que sempre considerei uma noite infindável. Pior do que eu, só os velhotes arrancados dos lares, quase à força, para que as respectivas famílias não ficassem mal vistas perante a sociedade.

   O Natal comemora o nascimento de Jesus Cristo. A história até é bonita e cheia de nobres sentimentos. Embora não se saiba com rigor o dia do nascimento do fundador do cristianismo, institucionalizou-se o dia 25 de Dezembro como o dia em que nasceu o Filho de Deus, isto na visão dos cristãos.

   Com o tempo e até por questões práticas, a árvore veio substituir o presépio. Quando era criança, o Natal tinha para mim outro significado e encanto. O meu pai, que até tinha jeito para a coisa, dedicava algum do seu tempo para que pudéssemos ter um presépio em casa, verdadeiro símbolo do Natal. Era uma satisfação as idas ao pinhal para apanhar musgo, elemento essencial no presépio lá de casa.

   Hoje, desconheço quem ainda se dá ao cuidado de fazer um presépio em casa. A alternativa está no pinheiro de Natal. Mas como cortar as árvores é prejudicial para a saúde da própria natureza, a alternativa são as chamadas árvores artificiais, tão divulgadas pelas casas chinesas. Estas têm uma vantagem: como são de fraca qualidade, não duram de uns anos para os outros, pelo que uma árvore nova está garantida todos os anos.

   Como disse no início, tenho alterado um pouco a minha opinião em relação a esta quadra, pelo que também eu, apesar da crise, comprei os meus presentes. Afinal o Natal é das crianças e agora tenho duas crianças lindíssimas para presentear: o meu filho Daniel e a minha neta Maria Inês. Claro que também a minha filha Liliana tem o seu presente, mas aos 30 anos, há muito que foi o encanto e magia de acreditar no Pai Natal.

   Este ano, mais uma vez, vou passar o Natal com as pessoas da família que mais gosto. Claro que há outros familiares e amigos com quem gostaria de partilhar a noite de consoada, mas o Natal também é um período de escolhas e privações.

A todos os leitores, direcção, jornalistas, colaboradores e funcionários do Despertar, os meus votos de um Bom Natal e um Feliz Ano Novo.

 

In Jornal "O DESPERTAR"  -  18-12-2009

publicado por José Soares às 12:00
link do post | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. O meu Natal

.arquivos

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Junho 2008

. Março 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Março 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds