Sexta-feira, 12 de Janeiro de 2007

Portugal “passo a passo”

Embora não sendo um adepto fervoroso de algumas das tradições natalícias, confesso que este ano abri uma excepção e ouvi (devo ter sido dos poucos), com a atenção possível, a mensagem de Natal do nosso Primeiro-Ministro (PM).


Apesar da atenção que dispensei ao discurso, não percebi a que país se referia José Sócrates. Segundo as suas palavras, “a economia está a recuperar. Os resultados começam a surgir”!? Como eu adorava que este discurso fosse sobre Portugal. Mas não. Seguramente que o nosso PM se referia a um outro qualquer país, desconhecido por mim e por muitos portugueses.


Aqui, no nosso Portugal, a situação é bem pior. A destruição da nossa sociedade solidária está à vista de todos. Só não vê quem não quer ver. A Segurança Social é vista hoje com insegurança; a Saúde provoca intranquilidade a quem dela precisa e a quem nela trabalha; na Educação só se houve falar em encerramento de escolas e a agressões a professores; na Justiça os portugueses sentem mais a injustiça de processos que demoram anos e que por vezes culminam em más decisões, que ninguém aceita, pelo que a moda agora são os recursos; e já nem vale a pena falar de outros sectores como a Agricultura, Pescas e muitas outras áreas. No entanto, ainda refiro o caso das polícias, em que o que vem a público pelos seus titulares, são a falta de meios, a revolta, o desânimo, as depressões e os suicídios, enfim, é a insegurança dos próprios polícias, que passa também para os cidadãos.


A competência dum Estado vê-se na forma como está organizado. Em Portugal, o Governo faz um guerra sem quartel à Função Pública, impõe medidas sem qualquer justificação ou negociação, retira direitos adquiridos dizendo aos restantes trabalhadores (da privada) que são privilégios e chega a congelar salários, carreiras e, pasme-se, chega a obrigar trabalhadores do Estado, a trabalharem mais 15 anos do que aquilo que tinha acordado com esses trabalhadores, os seus funcionários do Estado.


Esta análise pode ser confirmada na imprensa, todos os dias. O meu País é aquele onde vivem os portugueses que sofrem e aquele onde há outros que se reformam com oito anos de trabalho e também aquele onde há uma pequena faixa onde alguns enriquecem duma forma fulminante. É neste país de injustiças que José Sócrates devia pôr os olhos, onde se obriga os mais velhos a trabalharem até à morte e oferece o desemprego aos mais jovens com intermináveis cursos de formação que só servem aos formadores.


O futuro dos países está nas mãos dos jovens. É assim em todos os países desenvolvidos. Em Portugal, o nosso Primeiro-Ministro tem grandes discursos de preocupação sobre os jovens licenciados que não arranjam emprego. E, já gora, convém também recordar que há muitos jovens desempregados que não são licenciados, nem nunca entraram em nenhuma universidade. São jovens portugueses, na sua maioria filhos de outros portugueses que nunca puderam dar aos seus filhos condições para estudar. Estes jovens, também precisam da atenção deste e de todos os governos.


Tal como José Sócrates fez em relação aos pareceres que enviou para o Tribunal Constitucional, também eu lhe deixo o meu parecer, para o ajudar a tomar uma melhor solução: dê os empregos existentes aos jovens e deixe os mais velhos e aqueles que já descontarem os anos acordados com o Estado a reformarem-se, de acordo com os contratos que fizeram com o próprio Estado e com as empresas onde trabalham. Há que honrar a palavra dada, como se fazia antigamente. Obrigar alguém, injustificadamente, a trabalhar para além do acordado, só provoca desmotivação e revolta.


Faço votos que o ano de 2007 seja um ano de decisões que pensem mais nas pessoas e menos na economia. O primado dum Estado, é lutar pelo bem-estar do seu povo. Não é possível falar em nome do povo, tomando medidas que maltratam esse mesmo povo.


 


In “CAMPEÃO DAS PROVÍNCIAS”  -  11-01-2007  -  www.campeaoprovincias.com

publicado por José Soares às 14:00
link do post | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Feira Medieval em Buarcos

. A sorte e a crise não são...

. Parabéns: já só faltam ci...

. A minha aposentação não c...

. A minha aposentação não c...

. Um casarão sem alma

. Ano Novo Vida Velha

. Ano novo, políticos e víc...

. Hora de receber

. Hora de receber

. Função pública e função p...

. Função pública e função p...

. Futebol - um mundo à part...

. Reformas - pensão pública...

. Um casarão sem alma

. A Saúde e a Madeira

. Crimes sem perdão

. Fuga de cérebros

. Rotunda do Ingote

. Pregões de praia

. Tributar as heranças

. Ai Álvaro, Álvaro

. Misericórdia de Semide in...

. Cuidado com o bronze arti...

. I Feira Medieval em Buarc...

. Vamos andando

. José Soares em mini-entre...

. Visita a Cáceres

. Não há vergonha para o de...

. Boa vida para o setor aut...

.arquivos

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Junho 2008

. Março 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Março 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds