Sexta-feira, 13 de Maio de 2005

Relembrar Auschwitz

RelembrarAuschwitz.JPG

Como disse no artigo anterior, tive oportunidade de no passado dia 25 de Abril, concretizar um sonho – visitar o Campo de Concentração de Auschwitz, na Polónia. Parece um contra-senso, isto dum sonho ser visitar um local de grande pesadelo.

O dia estava mau, como se vê na fotografia, como mau era todo aquele local. É difícil de acreditar, que aquele espaço tenha sido criado para matar milhões de pessoas. Recorreu-se à industrialização dos sistemas de morte, para se poder exterminar o maior número de pessoas por dia. Para preservar a memória e alertar as actuais gerações, o Campo está transformado num grande museu do horror. Mesmo hoje, passados tantos anos, é dolorosamente impressionante, estar dentro das câmaras de gás onde milhões de inocentes morreram à ordens de uns loucos, comandados por um louco ainda maior – Adolfo Hitler.

Durante muitos anos, li e estudei este tema e confesso que nada encontrei com tanta nitidez, como esta visita “in loco” a este impressionante local. O meu grupo tinha cerca de 30 pessoas e, no final da visita, foi notório o choque expresso na cara de todos eles, após terem estado num sítio tão tragicamente conhecido e que faz parte de todos os manuais de História.

Como disse, a nossa visita foi efectuada no passado dia 25 de Abril, também para nós uma data que acabou com muito sofrimento. Também nós tivemos Peniche e o Tarrafal (em Cabo Verde), que anteriormente já tinha visitado, mas nada se poderá comparar com aquele campo de extermínio.

Em maior ou menor escala, todos nós estamos sujeitos a cruzar com potenciais ditadores. O problema, é que se não tivermos disso consciência e nada fizermos por inércia ou cobardia, arriscamo-nos a fortalecer essas mentes doentias. Quando um louco chega ao poder, tudo é possível. Hitler conseguiu-o e pela sua loucura irá ser recordado para todo o sempre, infelizmente. Foi a cobardia dos que lhe estavam próximos, que o levou a ser aquilo que foi e porque hoje é recordado.

É impressionante como passados 60 anos sobre o fim da II Guerra Mundial, os polacos ainda tenham uma memória tão viva e tão sofrida dessa época e muito façam para que as novas gerações não o esqueçam. A História é uma arma perigosa.

 

In "AURINEGRA" - 10-05-2005

www.aurinegra.com

publicado por José Soares às 15:34
link do post | favorito
3 comentários:
De Ester a 15 de Maio de 2005 às 23:09
Gostei muito deste seu artigo, acompanhado da devida foto, in loco, precisamente na porta de entrada do campo, debaixo das tais palavras, que os Alemães colocaram a tal inscrição «Arbeit macht Frei» que ironicamente querem dizer:
O trabalho liberta...
Eu também estive em Auschwitz e vim de lá com uma mágoa enorme por nunca ter imaginado tais atrocidades, uma coisa é ouvir e ler e outra coisa é ver...
"A cada semana era feita uma triagem", relata a sobrevivente Charlotte Grunow. "As pessoas tinham de ficar paradas durante várias horas diante de seus blocos. Aí chegava Mengele, o médico da SS. Com um simples gesto, ele determinava o fim de uma vida com que não simpatizasse." SEM COMENTÁRIOS...


De Sarmento a 15 de Maio de 2005 às 13:27
É preciso relembrar para não voltar a acontecer. Do que a mente humana é capaz de fazer ao seu semelhante.


De Carlos a 14 de Maio de 2005 às 23:40
Também eu já tive oportunidade de visitar o Campo de Concentração de Auschwitz, e aquilo é simplesmente impressionante.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Feira Medieval em Buarcos

. A sorte e a crise não são...

. Parabéns: já só faltam ci...

. A minha aposentação não c...

. A minha aposentação não c...

. Um casarão sem alma

. Ano Novo Vida Velha

. Ano novo, políticos e víc...

. Hora de receber

. Hora de receber

. Função pública e função p...

. Função pública e função p...

. Futebol - um mundo à part...

. Reformas - pensão pública...

. Um casarão sem alma

. A Saúde e a Madeira

. Crimes sem perdão

. Fuga de cérebros

. Rotunda do Ingote

. Pregões de praia

. Tributar as heranças

. Ai Álvaro, Álvaro

. Misericórdia de Semide in...

. Cuidado com o bronze arti...

. I Feira Medieval em Buarc...

. Vamos andando

. José Soares em mini-entre...

. Visita a Cáceres

. Não há vergonha para o de...

. Boa vida para o setor aut...

.arquivos

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Junho 2008

. Março 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Março 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds