Sexta-feira, 26 de Junho de 2009

Mãe/criança luta pelo filho

   O desespero duma jovem mãe de apenas 15 anos, em querer recuperar o seu filho, obrigou a comunicação social a colocar o assunto na ordem do dia. A sociedade interessou-se pelo caso.

   Dum modo geral e pelo que se viu inicialmente, o povo levantou-se em apoio a uma mãe/criança que quer o seu filho. É da natureza humana. Como muitos, também me interessei pelo caso e li tudo o que me foi possível. Abençoada internet. Um número significativo de comentadores, oficiais e de circunstância, colocou-se ao lado da jovem e critica a posição do tribunal.

   Vamos aos factos. A jovem Ana Rita teve um filho quando tinha apenas 13 anos. O pai, com apenas 17 anos, só perfilhou o filho depois dum teste de paternidade. Para o tribunal e de acordo com o acórdão, “foi constatada que a habitação estava muita suja, com dejectos de quatro cães pela casa, comprimidos espalhados, cozinha desorganizada e com comida a apodrecer em cima da bancada”. Era de facto um quadro muito negro para ter uma criança, quanto mais duas. A acrescentar a esta problemática situação, a avó de Ana Rita, segundo o tribunal, tem “problemas de saúde mental”. O Tribunal de Cascais considerou que Ana Rita estava “numa situação de risco, em abandono escolar e sem família organizada capaz de fazer face ao seu bem-estar”. Apesar de tudo, o tribunal também considerou que a jovem mãe “demonstra ter competências maternais e afecto pelo menor quando está com ele”.

   Foi por tudo isto que foi proposto à jovem que ela e o seu filho fossem colocados numa instituição para adolescentes com filhos. Compreensivelmente, a jovem Ana Rita, que na altura era uma criança com apenas 13 anos, não quis deixar a família e rejeitou porque “não conseguia dormir fora de casa e não queria deixar a mãe.”

   Ao contrário de muitos e perante os factos provados, acho que o tribunal decidiu bem. Foi há dois anos.

   Agora e perante um novo quadro, acho que o tribunal deverá reavaliar a situação e dar uma oportunidade à jovem Ana Rita de ser mãe. Pelo que se tem visto, ela merece essa felicidade. Como ela própria disse recentemente, “só quero que o meu filho venha para mim”. Seria bom que a sociedade não abandonasse estas duas crianças.

 

In Jornal “O DESPERTAR” – 26-06-2009

publicado por José Soares às 23:00
link do post | favorito
Sexta-feira, 19 de Junho de 2009

Justiceiros agridem jovem de 13 anos

   Às vezes nem quero acreditar naquilo que leio. Através do Correio da Manhã de 4/Junho último, fico a saber que a família da amiga duma aluna, composta por mãe, pai e dois tios, decidiu aplicar um correctivo a uma rapariga de 13 anos, por causa de um desentendimento na sala de aulas, onde a aluna agora agredida, teria atirado uma bola à cara duma colega.

   O que é curioso é que esta família justiceira não tem quaisquer laços familiares, com as crianças em causa.

   Esta notícia não passa nas televisões e é pena. Este caso ter-se-á passado à porta da Escola EB 2,3 do Viso, no Porto. O país insurge-se quando vê uma mãe russa, a bater no rabo da sua filha. Mas o que faz esse mesmo país, perante uma agressão a uma jovem de 13 anos, a soco e a pontapé, por quatro adultos, de que resultaram lesões ligeiras nas costas, na cabeça e num braço?

   Sabemos que a Justiça é morosa e quanto isso revolta as próprias vítimas. Mas é completamente impensável que se apoie e promova uma sociedade justiceira, onde predomina a justiça pelas próprias mãos. Não sei qual vai ser o desfecho desta triste história. Mas espero sinceramente que os autores desta violência, gratuita e inqualificável, sejam exemplarmente castigados. Julgo até, que alguns dos focos de violência que temos assistido no nosso país, são alimentados pela falta duma punição exemplar. Se houvesse castigos correspondentes aos crimes cometidos, os seus autores talvez pensassem um pouco mais antes de os cometerem.

 

In Jornal “O DESPERTAR” – 19-06-2009

publicado por José Soares às 19:00
link do post | favorito
Quinta-feira, 11 de Junho de 2009

Só elegemos eurodeputados

   Não vale a pena negar os factos – o PS perdeu as eleições europeias e todos os outros ganharam. Valeu o voto militante, dado que a maioria de todos os outros optou pela abstenção, que atingiu os 63%. Com estes valores, numa democracia, nenhum partido responsável pode clamar vitória.

   O PS não conseguiu mobilizar os seus próprios militantes e simpatizantes. Há muito que os sinais estavam na rua. Eram muitos os militantes socialistas que se insurgiram contra o próprio Governo e faziam questão de o mostrar publicamente. Este resultado era mais que previsível. Só não viu quem não quis ver. Foram tomadas medidas que a maioria não percebeu e que o Governo não conseguiu explicar. Os exemplos são muitos, mas dou o meu próprio caso: sou membro das Comissões Políticas Concelhia e Distrital do Partido Socialista e, como ex-Técnico Superior da Administração Pública, não consegui até hoje aceitar, ou sequer perceber, a alteração feita à lei das aposentações, a qual veio retirar quase 53% à minha aposentação.
   Estas eleições não eram fáceis para o PS. Sabia-se. As pessoas fazem os lugares e os lugares fazem as pessoas e estas podem fazer a diferença. Vital Moreira é conhecido pela sua competência universitária e como professor de Direito. Como candidato, devia ter despido essa capa e utilizado uma linguagem bem mais perto do povo. Qualquer contacto corria o risco de resvalar para uma aula. Os debates foram disso exemplo. Vital Moreira é bem melhor do que aquilo que o país viu. Estou certo que irá ser um respeitado e prestigiado eurodeputado.
   Não se pense que este resultado é o estender dum tapete vermelho para o PSD ganhar os próximos actos eleitorais. Depois destas eleições, a vida dos portugueses fica rigorosamente na mesma. Agora só elegemos os nossos eurodeputados para o Parlamento Europeu, os quais se vão “diliur” nas suas próprias famílias políticas. Quem conhece os actuais 24 eurodeputados portugueses? É preciso contextualizar estas eleições.
   As próximas eleições autárquicas vão mostrar ao país um PS bem mais mobilizado e empenhado. Para isso, basta que a direcção socialista e o Governo saibam tirar as devidas ilações e, com humildade, reconhecer que algo tem que mudar. É preciso saber explicar e isso nem sempre tem sido conseguido.
   Para aqueles que agora julgam o PS afastado das vitórias em próximos actos eleitorais, relembro que também o PSD (com Cavaco Silva) perdeu as eleições europeias para de seguida ganhar as legislativas e com maioria absoluta.
In Jornal: "DIÁRIO DE COIMBRA" - 11-06-2009
In Jornal: "SOL" - 12-06-2009 - CARTA DA SEMANA
In Jornal: "DIÁRIO DE NOTÍCIAS" - 13-06-2009 - CARTA DO DIA
publicado por José Soares às 16:56
link do post | favorito
Sexta-feira, 5 de Junho de 2009

Infecções hospitalares

 

   Na semana passada, a imprensa dava conta do falecimento de um senhor de 74 anos, por ter contraído uma infecção hospitalar nas Urgências do Hospital de Faro. A bactéria “Clostridium difficile” que terá causado a morte deste doente, já infectou 38 doentes daquele hospital, desde o início do ano.

   Segundo o Correio da Manhã (CM), a Inspecção-Geral das Actividades em Saúde, ilibou o hospital das mortes ocorridas causadas pela referida bateria.

   As infecções hospitalares são de facto preocupantes, dado que as mesmas já afectam cerca de 100 mil pessoas por ano. Com o envelhecimento da população, este número tem tendência para aumentar, dado que os mais idosos são mais vulneráveis a contrair esta infecção nosocomial (hospitalar).

   Esta previsão de aumento de infecções hospitalares, foi confirmada ao CM por Cristina Costa, responsável pela Divisão e Controlo da Infecção Associada aos Cuidados de Saúde da Direcção-Geral de Saúde: “Antes morria-se de outro tipo de doenças mas, com o envelhecimento da população, que tem o sistema imunitário debilitado, e com alguns medicamentos, como os imunossupressores, há a tendência para o aumento dos casos de infecção hospitalar”.

   Por mais evolução e cuidados que haja na Saúde, a morte está sempre garantida. É a dura realidade da nossa condição humana e, como diz o povo: “Quem de novo não vai, em velho não escapa”.

 

In Jornal: "O DESPERTAR" - 05-06-2009

 

http://odespertar.com/

 

http://odespertar.com/jornal/index.php?option=com_content&view=article&id=282:infecoes-hospitalares-&catid=29:opiniao&Itemid=136

tags:
publicado por José Soares às 17:39
link do post | favorito
Terça-feira, 2 de Junho de 2009

Acidente aéreo com um A-330 da Air France

   A propósito do desaparecimento dum Avião da Air France no Oceano Atlântico, que fazia a viagem do Rio de Janeiro para Paris, fui convidado pelo Jornal “I” a comentar esta notícia e a relembrar o meu próprio acidente. Aqui fica o meu comentário que saiu hoje no jornal. Recorde-se que neste avião viajavam 228 pessoas e até esta hora ainda não foram descobertos os seus destroços.

   Tem passado a ideia que o avião teria caído por ter sofrido o embate dum raio. A fazer fé nos especialistas, acho pouco provável. Aqui fica um vídeo que mostra um avião a ser atingido por um forte raio e seguir o seu trajecto “normalmente”.
 

Imagens de um avião no meio de uma tempestade, atingido por um raio.

 
In Jornal: "I" - 02-06-2009
www.ionline.pt
publicado por José Soares às 18:00
link do post | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Feira Medieval em Buarcos

. A sorte e a crise não são...

. Parabéns: já só faltam ci...

. A minha aposentação não c...

. A minha aposentação não c...

. Um casarão sem alma

. Ano Novo Vida Velha

. Ano novo, políticos e víc...

. Hora de receber

. Hora de receber

. Função pública e função p...

. Função pública e função p...

. Futebol - um mundo à part...

. Reformas - pensão pública...

. Um casarão sem alma

. A Saúde e a Madeira

. Crimes sem perdão

. Fuga de cérebros

. Rotunda do Ingote

. Pregões de praia

. Tributar as heranças

. Ai Álvaro, Álvaro

. Misericórdia de Semide in...

. Cuidado com o bronze arti...

. I Feira Medieval em Buarc...

. Vamos andando

. José Soares em mini-entre...

. Visita a Cáceres

. Não há vergonha para o de...

. Boa vida para o setor aut...

.arquivos

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Junho 2008

. Março 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Março 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds