Sexta-feira, 24 de Março de 2006

IRAQUE: três anos depois da invasão

Iraquetresanosdepoisdainvasao.jpg



Faz agora três anos que o mundo assistiu à invasão do Iraque pelas chamadas forças da Coligação. Em rigor, este grupo libertador das forças do mal, era constituído por americanos, ingleses e outros. Neste últimos, Durão Barroso teve a infeliz ideia de emprestar o nosso País para o anúncio da guerra, assente em provas irrefutáveis que Saddam Husseien tinha armas de destruição massiva e apoiava o terrorismo internacional. Afinal, as ditas provas não tiveram qualquer fundamento, dado que até hoje nada se provou.


É verdade que já passaram três anos, mas decerto que muitos se lembram que o nosso País ficou dividido quanto à nossa participação nesse triste evento. Para uns, era uma guerra que iria fazer o mundo menos perigoso; para outros, não havia provas suficientemente credíveis, pelo que aquilo que se estava a discutir era uma invasão. O tempo veio descredibilizar os primeiros e, infelizmente, dar razão aos segundos.


Embora esteja agora afastado das lides políticas, há uns anos atrás estava bastante activo no ex-PRD. Nesse partido, além de Presidente da Comissão Política Distrital de Coimbra, era também Conselheiro Nacional. Nessa qualidade de dirigente nacional, fiz uma visita oficial ao Iraque, precisamente a convite de Saddam Hussein, por quem fui recebido. Essa visita despertou-me para a realidade iraquiana, até aí quase ignorada pela nossa imprensa. Hoje, o Iraque continua a ser visto por alguns como o braço armado do demónio, apesar de até agora nada se ter provado no seu apoio ao terrorismo. Mas, na altura da minha visita, o presidente do Iraque era um amigo da América, pelo que era visto como amigo do mundo. Apesar de todo o controle que havia na altura, era possível o contacto entre políticos estrangeiros e a oposição iraquiana. Foi isso que aconteceu no hotel onde fiquei em Bagdad. Não há dúvidas agora como não havia na altura, que Saddam Hussein era um ditador. A questão que ainda hoje se põe, é “só” se esse factor é suficiente para invadir um país? Se os Estados Unidos forem invadir todos os países liderados por ditadores que não respeitam os direitos humanos e o direito internacional, então o mundo irá concerteza ficar bem mais perigoso. Nem sempre através da guerra se consegue a paz.


Três anos depois, o que ficou para a história é que o Iraque está mais perigoso para o mundo, por culpa dos maus decisores políticos que temos. Até ao momento em que escrevo este artigo, já morreram mais de 30 mil iraquianos e 2312 soldados norte-americanos. Quando ele for publicado, já estes números estarão desactualizados. Quantos mais terão que morrer, para a sociedade americana acordar para este facto? Nos prós e contras, a invasão tornou o Iraque e o mundo bem mais perigosos.


 


in "AURINEGRA"  -  23-03-2006 - www.aurinegra.com 


 

publicado por José Soares às 15:03
link do post | favorito
Terça-feira, 14 de Março de 2006

Morrer em casa

Morreremcasa.jpg


Razões de ordem profissional, levam-me a estar particularmente atento a tudo o que se passa na área da Saúde. Vem isto a propósito, sobre uma investigação publicada no “British Medical Journal” e que contou também com a portuguesa Bárbara Gomes, investigadora do “King’s College London”. Nesse estudo, são identificados os factores que favorecem a morte de doentes em estado terminal, nas suas casas.


Esta análise é particularmente importante, dado o cada vez maior envelhecimento da população portuguesa, o que nos vai obrigar a estar atentos ao consequente aumento de doenças crónicas, causadoras dum irreparável estado de saúde. É durante esta agonia da vida, que os doentes desejam passar os últimos momentos da sua vida na sua casa, perto da sua família. Porém, uma coisa é o desejo; e outra bem diferente é a realidade. Segundo o estudo, em Portugal, num período de apenas quatro anos, a quantidade de doentes que morreu em hospitais, subiu de 64% para 67%.


A organização familiar da nossa sociedade, tem mudado muito nos últimos anos. Cada vez menos os membros duma família resolvem viver em conjunto, partilhando a mesma casa. Perante esta realidade, os doentes em estado terminal, têm mais probabilidades de virem a morrer em hospitais do que nas suas próprias casas, junto dos seus familiares. Apesar do estudo apontar as minorias étnicas e as pessoas de estrato sócio-económico baixo, como aqueles que mais morrem nos hospitais, muitos outros com recursos financeiros morrem em casa, mas acompanhados por profissionais e não pela própria família.


Com o aumento do envelhecimento da nossa população, seria importante que os responsáveis apostassem mais nos cuidados continuados domiciliários, de modo a que aqueles que já nada podem esperar dos hospitais, possam morrer duma forma digna e acarinhada, junto dos seus e no espaço que lhe é familiar – a sua casa. Estudos portugueses apontam para que 98% destes doentes, preferem morrer em casa, mas são poucos os que conseguem essa caridade. Pensar a morte, também é uma qualidade de vida.


in "AURINEGRA"  -  09-03-2006 - www.aurinegra.com 

publicado por José Soares às 21:44
link do post | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Feira Medieval em Buarcos

. A sorte e a crise não são...

. Parabéns: já só faltam ci...

. A minha aposentação não c...

. A minha aposentação não c...

. Um casarão sem alma

. Ano Novo Vida Velha

. Ano novo, políticos e víc...

. Hora de receber

. Hora de receber

. Função pública e função p...

. Função pública e função p...

. Futebol - um mundo à part...

. Reformas - pensão pública...

. Um casarão sem alma

. A Saúde e a Madeira

. Crimes sem perdão

. Fuga de cérebros

. Rotunda do Ingote

. Pregões de praia

. Tributar as heranças

. Ai Álvaro, Álvaro

. Misericórdia de Semide in...

. Cuidado com o bronze arti...

. I Feira Medieval em Buarc...

. Vamos andando

. José Soares em mini-entre...

. Visita a Cáceres

. Não há vergonha para o de...

. Boa vida para o setor aut...

.arquivos

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Junho 2008

. Março 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Março 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds