Quarta-feira, 19 de Outubro de 2005

Recordar o PRD

PRD.jpg

Faz hoje 19 anos (19-10-1986) que Ramalho Eanes assumiu a presidência do PRD -Partido Renovador Democrático, após ter saído da presidência da República, onde esteve durante dois mandatos -–10 anos (1976-1986).

Os princípios que estiveram na origem da criação do PRD, estão tão actuais hoje como estavam na altura da fundação daquela força política. O problema foram alguns dos seus protagonistas que descredibilizaram o projecto, perante a opinião pública. Hoje, continuo a achar que se justificava a manutenção do PRD no actual espectro político. Nunca concordei que Ramalho Eanes tivesse abandonado um projecto que ele próprio idealizou.

José Soares (*)

(*) ex- Presidente da Comissão Política Distrital de Coimbra, Deputado Municipal e Conselheiro Nacional.

publicado por José Soares às 22:18
link do post | favorito
5 comentários:
De Kalokas a 23 de Outubro de 2005 às 01:39
Em 1985, com o Bloco Central a não encontrar rumo para o país, o PRD consegue uma faixa importante do eleitorado (18%, creio eu). O seu desaparecimento, veio confirmar, que um partido não é sustentável quando surge desnutrido de ideologia e com uma linha política que não vai muito além de acolher descontentes. A alternância entre o PSD e PS tem confirmado, que qualquer partido serve para voz de protesto. Com o espectro político preenchido, acho que não haverá espaço para mais. Seguindo esse pensamento, atrevo-me a fazer um pouco de futurologia e dizer que por ter surgido em circunstâncias mais ou menos semelhantes, embora com alguns contornos de antecedentes partidários, penso que o BE tem os dias contados. É só uma questão de liderança para que ele sinta o golpe!


De Pedro Santos a 21 de Outubro de 2005 às 13:10
Lamento que o PRD tenha acabado como acabou. Também eu acredito que hoje faria falta a este país cada vez mais desanimado.


De J.Soares a 20 de Outubro de 2005 às 13:24
Caros Amigos RC e JB. Obrigado pelos vossos comentários. Um abraço do J.Soares


De jb a 20 de Outubro de 2005 às 11:09
O PRD era parte plena do tradicional sebastianismo português. O problema é que o General Eanes não era propriamente o rei bondoso, ingénuo, juvenil e puro.
Assumiu a ideia de que poderia ser o "salvador da Pátria", bem diferente e bem longe dos seguidores do poder que tudo fazem e tudo dizem para obterem o favor do povo. Mas não concretizou.
Ele e o seu partido não conseguiram sair do círculo político do poder pelo poder, como se o mais importante fosse a obtenção da autoridade e não a responsabilidade e o serviço que o comando implica.
O espaço do PRD, meu caro, não estava no espectro político nacional. Era parte substancial de uma ideia de higiene e de purismo que se mantém, tal qual antes, durante e depois do aparecimento dos renovadores.
Ou será que o PRD conseguiu renovar alguma coisa?
A resposta implica que se siga o rumo das principais figuras do directório e se saiba onde se colocaram, a que lógica se submeteram e como fizeram (ou não) a diferença.


De RC a 19 de Outubro de 2005 às 23:11
Já não me lembrava da data. Concordo que os ideais do PRD estão actuais. Estão e estarão sempre.
A questão é que o PRD assentava num equívoco, à luz da realidade política portuguesa.
Equívoco que, em sín tese, resultava de:
- Esses ideais serem um conjunto de princípios gerais que albergaram debaixo do mesmo chapéu, pessoas com ideias políticas e éticas muito diferenciadas.
- O General Eanes não ser, na verdade e em minha opinião, um líder político, isto sem deixar de lhe reconhecer a seriedade e a vontade de defender Portugal e os portugueses.
Acresce a incompetência política de alguns dos seus principais conselheiros.
Foi uma oportunidade perdida. Definitivamente perdida, acrescento.
RC


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Feira Medieval em Buarcos

. A sorte e a crise não são...

. Parabéns: já só faltam ci...

. A minha aposentação não c...

. A minha aposentação não c...

. Um casarão sem alma

. Ano Novo Vida Velha

. Ano novo, políticos e víc...

. Hora de receber

. Hora de receber

. Função pública e função p...

. Função pública e função p...

. Futebol - um mundo à part...

. Reformas - pensão pública...

. Um casarão sem alma

. A Saúde e a Madeira

. Crimes sem perdão

. Fuga de cérebros

. Rotunda do Ingote

. Pregões de praia

. Tributar as heranças

. Ai Álvaro, Álvaro

. Misericórdia de Semide in...

. Cuidado com o bronze arti...

. I Feira Medieval em Buarc...

. Vamos andando

. José Soares em mini-entre...

. Visita a Cáceres

. Não há vergonha para o de...

. Boa vida para o setor aut...

.arquivos

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Junho 2008

. Março 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Março 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds