Sábado, 24 de Dezembro de 2005

A grande nobreza de Plácido Domingo

JoseCarrerasePlacidoDomingo.jpg


Mesmo para os mais desligados do mundo da música, certamente já todos ouvimos falar dos tenores Plácido Domingo e José Carreras. O que talvez a maioria não saiba, é que o primeiro é madrileno e o segundo é catalão. Também por isso, as questões políticas tornaram-nos inimigos. A situação era de tal maneira que cada um deles, para actuar, exigia no contrato que o outro não pudesse ser convidado. Eram verdadeiros inimigos de estimação.


Ambos os tenores sempre foram muito admirados na sua arte. Por ela, eram também bem pagos. Apesar da inimizade entre ambos, habituaram-se a viver com isso. Da mesma forma que algumas pessoas têm o privilégio de se amarem, estes tinham o azar de se odiarem.


Em 1987, quis o destino que José Carreras tivesse um novo inimigo, bem mais perigoso e letal – uma leucemia. O aparecimento do cancro desregulou completamente a vida a Carreras. Deixou de participar em espectáculos, passando exclusivamente a dedicar o seu tempo a salvar a sua própria vida. Para isso, submeteu-se a desgastantes tratamentos, a uma transplante de medula óssea e a uma mudança de sangue. Para salvar a vida, Carreras tinha de se deslocar mensalmente aos Estados Unidos. Apesar de ser um homem com uma fortuna razoável, o tratamento e as frequentes viagens delapidaram-lhe o património. A situação era de tal maneira grave, que deixou de ter possibilidades de continuar os tratamentos nos Estados Unidos. O homem que encantara multidões com a sua voz sentia-se abandonado à sua triste sorte. Parecia que nada havia a fazer.


É na altura que José Carreras pensa que já nada havia a fazer, que toma conhecimento da “Fundación Hermosa”, localizada em Madrid e que se destinava a apoiar o tratamento de doentes com leucemia. Como o importante era curar-se e já não tinha meios financeiros para fazer escolhas, o catalão José Carreras entregou-se de alma e coração àquela fundação, como a única esperança para o seu caso. Em boa hora o fez, porque foi através dela que recuperou a sua saúde e alegria de viver, e pode novamente continuar a cantar.


Depois de recuperado, lê os estatutos da “Fundación Hermosa” e não queria acreditar no que lia: o presidente da fundação era nem mais nem menos do que o seu inimigo Plácido Domingo. Aquele que mais odiava tinha fundado uma organização com o propósito de o salvar. Durante muito tempo, Plácido manteve o anonimato de modo a que o seu doente inimigo não se sentisse humilhado.


Passado algum tempo, Plácido Domingo iria dar um concerto em Madrid. Na altura em que estava a actuar, José Carreras interrompe a actuação do “inimigo”, sobe ao palco e numa atitude de grande humildade, ajoelha-se aos pés do seu novo Amigo, a quem pede desculpa e agradece publicamente o gesto que teve para consigo. Perante tal atitude, Plácido Domingo ajuda o seu novo Amigo a levantar-se e perante a enorme assistência dão um grande e comovido abraço, selando publicamente a nova Amizade.


Esta história podia terminar aqui, mas termino-a com uma resposta que Plácido Domingo deu a uma jornalista que o interrogou sobre a sua atitude, tomada precisamente com o seu principal inimigo e rival: “Porque uma voz como aquela não se podia perder”.


in "AURINEGRA"  -  20-12-2005 - www.aurinegra.com 


in "O DESPERTAR"  -  23-12-2005 


 

publicado por José Soares às 14:16
link do post | favorito
5 comentários:
De J.Soares a 25 de Janeiro de 2007 às 14:07
Olá Graça
Agradeço o comentário mas a história continua como verdadeira em vários jornais e revistas acessiveis na internet.
Veja o comentário aqui da "Kalinka":
"Por acaso ouvi há pouco mais de um mês esta história entre os dois, Plácido Domingo e José Carreras, e as lágrimas soltaram-se involuntariamente, fiquei bastante comovida...".
Será que a história é mesmo falsa?
Os meus cumprimentos.
JS


De Graa a 19 de Janeiro de 2007 às 16:23
Muito bonita esta estória, só que infelismente é falsa.
Coisas que as pessoas postam na internete e não procuram saber se é verdadeiro ou falso.


De J.Soares a 6 de Janeiro de 2006 às 14:29
Olá Kalinka. Li com atenção e preocupação esta sua mensagem. Espero sinceramente que ultrapasse mais uma das barreiras da sua vida. Força amiga. Há pessoas a tem tudo de bom acontece na vida. Outras, passam essa mesma vida em provações. Um beijo do J.Soares


De kalinka a 5 de Janeiro de 2006 às 23:47
Por acaso ouvi há pouco mais de um mês esta história entre os dois, Plácido Domingo e José Carreras, e as lágrimas soltaram-se involuntariamente, fiquei bastante comovida...
Acontece que esta semana fui parar ao hospital em risco de vida devido a uma negligência médica, que se prolonga há quase 5 meses, da qual já resultaram vários danos psicológicos e alguns físicos, e sinto-me revoltada, triste, no fundo do poço, nem digo mais nada pois sinto muito mais k isso tudo, mas não consigo arranjar palavras para descrever o k sinto, pois não posso ADMITIR que alguém brinque c/a saúde de uma pessoa, seja ela quem for, pois a saúde é o bem mais precioso que temos na vida.


De Antonino Neves a 26 de Dezembro de 2005 às 12:09
Que grande lição!
Também chegamos à conclusão que o dinheiro nada vale depois de se perder a saúde. Reflectamos todos pela lição que nos trás o amigo José Soares. Obrigado. Antonino Neves.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Feira Medieval em Buarcos

. A sorte e a crise não são...

. Parabéns: já só faltam ci...

. A minha aposentação não c...

. A minha aposentação não c...

. Um casarão sem alma

. Ano Novo Vida Velha

. Ano novo, políticos e víc...

. Hora de receber

. Hora de receber

. Função pública e função p...

. Função pública e função p...

. Futebol - um mundo à part...

. Reformas - pensão pública...

. Um casarão sem alma

. A Saúde e a Madeira

. Crimes sem perdão

. Fuga de cérebros

. Rotunda do Ingote

. Pregões de praia

. Tributar as heranças

. Ai Álvaro, Álvaro

. Misericórdia de Semide in...

. Cuidado com o bronze arti...

. I Feira Medieval em Buarc...

. Vamos andando

. José Soares em mini-entre...

. Visita a Cáceres

. Não há vergonha para o de...

. Boa vida para o setor aut...

.arquivos

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Junho 2008

. Março 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Março 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds